Comentários

Não é novidade que estamos vivendo uma grande crise editorial, algumas editoras até deixam isso bem claro e pedem paciência para seus leitores. Recentemente, vimos a Editora Abril fechar as portas, deixando as publicações dos quadrinhos Disney sem nenhum futuro claro.


Antes de continuar: Participe do nosso grupo de Whatsapp e receba ofertas diárias de Quadrinhos com desconto. Para participar, basta clicar aqui!


Se você se preocupa com alguma editora, se você tem alguma editora favorita (ou seus títulos favoritos são publicados por alguma delas), há um jeito de ajudar, de dar uma força para que as publicações continuem e cheguem até seu término sem nenhuma interrupção e hiato. E qual seria este jeito? A ideia deste post veio a partir de um compartilhamento de um texto por um editor da Mythos. A publicação original é de uma editora da Aleph, que publica livros de ficção científica e você pode conferir tudo, clicando aqui.

Como você pode ver no texto, a vida de uma editora não é fácil. Embora haja um grande esforço para trazer nossas publicações favoritas, cercadas de altos custos que começam com o licenciamento, partem para a tradução, revisão, edição (todos estes elementos demandam pessoas e pagamentos), continuam com a impressão, movimentação e armazenagem da carga (afinal, os quadrinhos não saem da gráfica direto para as bancas), sem falar em impostos, marketing e outros custos que vem após o lançamento do quadrinho. E ainda tem o fator de que muitas livrarias compram os títulos, mas o pagamento não é feito em sua totalidade

“Pera aí! Como assim?”

Simples, imagine que a Livraria do Joãozinho compre uma remessa de Quadrinhos do ‘Gente-Arara‘, ok, embora eles tenham feito isso, eles vão pagando para sua editora a cada intervalo de tempo, pagando apenas pelos itens vendidos. E caso sobrem itens, eles são devolvidos para a editora, que não receberá nada por eles. Nas palavras do próprio Júlio Monteiro, editor da Mythos:

Existe um mínimo que tem que ser vendido em até 70 dias de lançamento para o título não ser considerado desvantajoso. Seria o mínimo para pagar a impressão, que começa a ser paga dentro deste período (muitas vezes sendo paga em até 120 dias, mas em prestações). Se não pagou um terço do valor de impressão, já não foi bem, é um fato simples. 

Perceba que a Editora demora muito para ter seu retorno em cima daquela publicação. E caso ela fique lá nas estantes e estoque das livrarias, não haverá interesse de comprar uma nova remessa. O que pode fazer com que a Editora desista de publicar o título. Ok, hoje em dia, também tem o lado do consumidor, afinal, a crise fez com que os títulos subissem muito de preço (SIM, TÁ TUDO MUITO CARO!), o que faz com que muitos esperem que eles ganhem belos descontos em promoções e sejam vendidos só após alguns meses desde o lançamento.

“E é errado fazer isso?”

Claro que não! É seu direito como consumidor. Porém, enquanto algumas editoras são grandes o bastante e possuem um grande fluxo de títulos publicados, o que proporciona que elas possam viver tranquilamente com este sistema, há editoras que são bem menores e cada título é importantíssimo para que um novo seja publicado. No nosso podcast, falamos com o Bruno Zago, da Editora Pipoca & Nanquim, onde ele explica bem este sistema. Você pode ouvir aqui. Como ele mesmo diz, a pré-venda acaba sendo a maior ajuda que a editora pode ter. Afinal, a pré-venda mostra o interesse do público no título, o que faz com que a loja compre mais e mais, gerando mais renda para a editora e, consequentemente, mais capital para que ela possa investir em novas publicações.

É óbvio que não é fácil pegar tudo na pré-venda, principalmente quando temos tantos títulos e tantas editoras no mercado. Mas, se você se concentrar no seu título favorito ou na sua editora favorita, pode ter certeza, você irá ajudar bastante.

Sendo assim, deixo aqui o link das pré-vendas disponíveis no momento. Ao clicar aqui, você ajudará sua editora, ajudará o título que você comprar e também dará uma força ao site em que você está lendo este artigo. O mercado gira, as coisas funcionam e, embora a crise não acabe com isso, ficará mais tranquilo dar novos passos em direção ao futuro, mantendo as editoras publicando e seus títulos longe do cancelamento. Caso você não acredite neste post, recomendo que entre em contato com a editora do seu título favorito e pergunte sobre estas informações, o importante é que haja transparência. Até a próxima!



Comentários