Comentários

Durante entrevista ao Daily Beast, Stan Lee falou pela primeira vez sobre o caso de abuso contra idoso que teria sofrido de seus assistentes. Em agosto deste ano, o ex-editor chefe da Marvel conseguiu uma ordem de restrição contra Keya Morgan, acusado de roubar objetos, dinheiro e de ter mentido sobre dois homens armados terem ameaçado o quadrinista em sua casa.

“Eu aprendi tarde na vida que você precisa de conselheiros se fizer algum dinheiro na vida. Eu fiz tudo sozinho. Os primeiros dez anos da minha vida, quando escrevi Super Rabbit, e então quando criei todos esses personagens, incluindo o Hulk – eu cuidei de tudo. Eu paguei todas as contas, fiz a contabilidade, cuidei de tudo. E então algum dinheiro a mais começou a entrar e eu percebi que precisava de ajuda. Precisava de pessoas em quem pudesse confiar e cometi alguns grandes erros. As primeiras pessoas que contratei são pessoas em quem eu não deveria ter confiado”.

Na mesma entrevista, sua filha J.C. Lee se defendeu das acusações de que teria abusado de seu pai e sua mãe, tanto física quanto psicologicamente:

“Durante toda a minha vida eu nunca toquei na minha mãe, no meu pai ou em um cachorro. Como tudo isso aconteceu… entre nós, minha mãe estava muito doente. Ela usava drogas pesadas e bebida contra a dor. Ela não tornou as coisas fáceis e as pessoas dizem coisas. Mas ninguém foi tocado. Ela estava um pouco ‘fora de sintonia’, para dizer o mínimo. E essas pessoas desse culto, ou o que quer que seja, estavam tentando conseguir tudo. Me pergunte o quanto eles conseguiram (…) Foi uma situação horrível. Nunca houve violência física nessa casa. Nunca”.

Por fim, Stan decidiu tranquilizar os fãs.

“Realmente não aconteceu todo esse drama. Até onde eu sei, temos uma vida incrível. Eu tenho muita sorte. Amo minha filha e espero que ela também me ame. Eu não poderia pedir por uma vida melhor. Se pelo menos minha mulher ainda estivesse conosco, não entendo sobre o que é tudo isso”.

J.C. Lee havia sido acusada de cometer abusos físicos e psicológicos contra o pai e contra sua mãe, Joan Lee. O quadrinista também assinou um documento em que acusava três homens – Jerardo “Jerry” Olivarez (cuidador de Lee na época), Keya Morgan (ex cuidador de Lee) e Kirk Schenck (advogado de J.C. Lee), de tentarem controlar suas propriedades e dinheiro.



Comentários