Comentários

O anúncio de que Brian Michael Bendis assumiria os títulos do Superman causou preocupação em parte do público que consome as histórias em quadrinhos da DC Comics porque, primeiramente, muita gente simplesmente não gosta do escritor e, em segundo lugar, porque a fase de Peter Tomasi era muito boa ao abordar um Clark Kent mais maduro e com responsabilidades paternas absolutamente originais e refrescantes para a mitologia do personagem.


Antes de continuar: Participe do nosso grupo de Whatsapp e receba ofertas diárias de Quadrinhos com desconto. Para participar, basta clicar aqui!


Com a chegada de Bendis depois de uma estrelada – e, pessoalmente, um tanto quanto superestimada – carreira na Marvel, os editores da DC se deparam com um impasse: retornar ao tradicional, como é a tendência dos quadrinhos em 2018, ou investir todos os esforços numa roupagem mais moderna, que pode muito bem dar errado como muitas outras? A intenção, aparentemente, é uma mistura das duas coisas, já que Bendis claramente não é a pessoa certa para falar de tradicionalismo, mas também não é o destruidor de lares que dizem que é.

Fato é que, nesse processo de mudança, muita coisa boa pode acabar sendo descartada, como o núcleo familiar entre Clark, Jon e Lois, por exemplo. Rumores recentes apontavam até que o Superman retornaria à vida de solteiro, o que alimentou especulações de que o pequeno filho e a querida esposa do super-herói poderiam, tragicamente, encontrar seu fim *temporário*. Desta forma, a face traumatizada e melancólica do Superman ressurgiria e vocês sabem como Bendis é apaixonado por essas condições humanas mais desagradáveis.

O próprio roteirista entende essa preocupação do público. “Compreendo. Estou ansioso para receber as desculpas de todos os bons fãs do Superman, como as boas pessoas que são, daqui a alguns meses, e as aceitarei”, brincou, em entrevista ao CBR. “As pessoas entenderão como amo Jon e Lois, mas está tudo bem. [A preocupação] é parte do jogo.” Ele admite, porém, que algo de importante acontecerá com os dois. “Algo está acontecendo com Jon e Lois. Não é bobagem”, disse.

Por outro lado, o escritor assegura que não se trata de nada de muito radical como se espera. “Há muitos segredos em nossa história e ainda não podemos contar o que acontece com eles. Há certo receio – algumas pessoas ficam ansiosas, outras ficam nervosas. Fazer com que elas se sintam assim é nosso trabalho. Daqui a um ano, quando tudo estiver realmente se desenrolando, as pessoas entenderão o profundo amor e afeição que temos por esta família”, finalizou, expressando otimismo pela recepção de suas decisões.

A primeira edição de O Homem de Aço, primeira grande minissérie de Bendis na DC, chegará às bancas norte-americanas em 30 de maio – e sabe-se lá quando estreará no Brasil. A editora disponibilizou algumas cópias para blogueiros e jornalistas nos Estados Unidos e, por enquanto, as reações gerais são muito positivas – no Comic Book Roundup, espécie de Rotten Tomatoes dos quadrinhos, a edição conta com uma excelente média de 90 pontos. Elogios também são dados ao ilustrador Ivan Reis, que, ouso dizer, é o maior talento artístico brasileiro atuando internacionalmente na atualidade.



Comentários