Comentários

My Hero Academia se tornou uma das franquias mais famosas do gênero shonen. O sucesso é ecoado tanto no Ocidente quanto no Oriente. Assim, era apenas questão de tempo até que um filme da franquia fosse feito e chegasse por aqui. My Hero Academia: Dois Heróis é o primeiro filme de Izuku Midoriya e seus amigos (um segundo filme já foi anunciado e deve ser lançado em dezembro no Japão).

Nesta saga, seguimos Izuku Midoriya, que sonha em se tornar o maior herói do mundo, assim como seu ídolo, All Might. Porém, Midoriya descobre que ele nasceu sem dons. Dom é a palavra usada para representar super-poderes neste mundo. Entretanto, quando o sonho parecia estar arruinado, ele tem seu encontro com All Might, que passa seus poderes para ele.

Tudo isso você vê em um flashback no início do filme, servindo para orientar a audiência que não conhecia a franquia ainda. O filme também mostra um pouco do passado de All Might, mostrando seu trabalho como estudante ao lado de David Shield, um estudante e cientista da Califórnia.

Vale dizer que Kohei Horikoshi já confirmou que tudo contado no filme é canônico e que ele sempre quis incluir um capítulo sobre o passado de All Might, mas não tinha certeza de como colocar isso no mangá. Assim, o filme foi a oportunidade perfeita.

Depois da introdução, temos o retorno para o presente, que se passa exatamente após o episódio 58 (terceira temporada) do anime. Midoriya e All Might estão visitando uma ilha onde cientistas desenvolvem itens de suporte para Super-Heróis. Midoriya e All Might se encontram com David Shield e sua filha, Melissa, que, assim como Midoriya, nasceu sem dom. É claro que o filme arruma um jeito de colocar vários dos colegas da U.A. dentro da ilha, fazendo com que a aventura fique mais divertida.

Apesar do filme ser canônico e se passar exatamente entre as temporadas do anime, ele acaba sendo limitado por um fator presente em qualquer filme de anime: os personagens não possuem um verdadeiro desenvolvimento. Nada que eles ganhem, recebam ou vivam será levado para a série principal.

Sim, ainda que seja canônico, o filme acaba sendo um episódio filler de 96 minutos. Não é que isso seja ruim, afinal, ainda temos uma boa história escrita por Kohei Horikoshi e adaptada por Yosuke Kuroda (que também adapta o anime), mas isso faz com que os personagens façam exatamente aquilo que você espera deles.

Mesmo com este pequeno ‘detalhe’, devemos lembrar que é uma aventura de My Hero Academia. E qualquer tempo adicional com Midoriya, Bakugo e Todoroki é bem vindo. Para quem tinha dúvidas, os personagens David e Melissa Shield são excelentes e possuem boas motivações. Seria até interessante vê-los no mangá ou no anime.

Nem preciso dizer que o filme é recheado de batalhas espetaculares e com a mesma qualidade que temos na série animada. É um verdadeiro show de luzes e ação.

Embora My Hero Academia: Dois Heróis não adicione muito à mitologia da série, é um ótimo filme e uma boa aventura de Midoriya. Se você procura ter uma boa dose de My Hero, este filme é o que você precisa!

Sobre a dublagem:

Sim, preferi abrir um tópico especial sobre a dublagem de My Hero Academia, afinal, é um trabalho que tem sido bastante divulgado e que todos estavam ansiosos por ele.

O primeiro ponto é que a Unidub escalou muito bem o elenco do filme: Guilherme Briggs como All Might é excelente, fazendo o verdadeiro link entre o personagem e o Superman (que obviamente serviu como inspiração para Kohei Horikoshi).

Lipe Volpato dá verdadeira vida a Izuku Midoriya, ele consegue capturar a essência do personagem, deixando a voz fluir de acordo com as variações de tom que Midoriya necessita. Também devo elogiar a escolha de Marcelo Campos para David Shield: temos um personagem que trabalha lado a lado com All Might e duas lendas da dublagem compartilham cenas – Marcelo Campos e Guilherme Briggs. Uma dupla que não dá para ignorar.

E se é pra falar de acertos, Fábio Lucindo simplesmente destrói como Bakugo. A voz dele casa perfeitamente com o personagem, talvez em um nível que supera a voz original.

Por fim, devo acalmar os corações daqueles que se preocupam com a presença de Youtubers nas vozes de alguns personagens: Todos foram bem dirigidos e realizaram seus papéis com muita qualidade. Ainda assim, caso você se preocupe, os personagens passam pouco tempo em tela e podemos dizer que todos fazem participações especiais, se tornando ‘easter-eggs’ para quem acompanha o trabalho deles.

A direção de dublagem foi realizada por Úrsula Bezerra, a voz de Goku criança e Naruto. Um trabalho impecável.



Comentários