Comentários

Considerado um dos projetos mais ambiciosos da Netflix, “Operação Fronteira” conta a história de cinco ex-soldados das Forças Especiais americanas que não receberam os devidos méritos por seus serviços prestados à nação. Decididos a mudarem suas vidas, eles resolvem fazer parte de um plano arriscado, elaborado por Santiago “Pope” Garcia (Oscar Isaac): roubar um lorde do tráfico que vive entre as fronteiras de países da América do Sul. Mas, obviamente, nem tudo sai como o planejado.

Antes de entrarmos em detalhes em quesitos mais cruciais da produção, vale ressaltar a direção sólida de J.C. Chandor, que ao mesmo tempo que consegue capturar belas imagens, com auxílio do diretor de fotografia Roman Vasyanov, mostra total domínio em cenas de ação.

Infelizmente, o roteiro de Mark Boal (Guerra ao Terror, A Hora mais Escura) é o que serve como divisor de águas.

Apesar do ótimo entrosamento entre Isaac, Ben Affleck, Charlie Hunnam, Garrett Hedlund e Pedro Pascal (ainda que este último totalmente subutilizado), o enredo em si mostra-se pouquíssimo inspirado, sem energia ou qualquer tipo de vibração necessária para uma abordagem do tipo (Fogo contra Fogo, de Michael Mann deveria ter sido visto como lição de casa).

Como na maioria dos casos, um problema leva ao outro: na parte final temos um terrível problema de ritmo, principalmente quando a jornada dos protagonistas fica conflituosa entre continuar com o dinheiro – que por sinal, se mostrou o mais fácil de ser roubado em toda a história do cinema, levantando questionamentos se existe alguma grande ameaça (?) – e tomar uma difícil decisão envolvendo um amigo.

Vale notar que não há nenhum esforço em mostrar questões sociais nos lados mais pobres da América do Sul. É assustador como que tudo fora do núcleo dos ex-soldados é ignorado. Ao que parece, a ideia era apenas ter boas paisagens para as filmagens.

A tentativa de encaixar alguns clássicos do rock como For Whom The Bells Tolls, do Metallica, ou Run Through The Jungle, do Creedence, também se mostra falha, enquanto a trilha sonora original é inexistente.

Operação Fronteira desperdiça um grande potencial, mas se você é fã dos atores e busca um passatempo enquanto estiver de bobeira, pode ser um bom entretenimento.



Comentários