Comentários

Em uma edição caprichada lançada pela HQM Editora, o personagem Concreto, a obra prima de Paul Chadwick, retorna às bancas brasileiras com toda a qualidade editorial que merece. Com histórias clássicas e algumas raridades, a série vencedora de nove prêmios Eisner e três Harvey é simplesmente fantástica.


Antes de continuar: Participe do nosso grupo de Whatsapp e receba ofertas diárias de Quadrinhos com desconto. Para participar, basta clicar aqui!


Concreto – Vol. 1: Nas Profundezas
Formato 17 x 26 cm
Capa cartão com orelhas
208 páginas, papel couché
R$ 49,90
Sinopse: “Parte homem, parte… rocha? Mais de dois metros de altura, pesando mais de 500 quilos, ele é conhecido como Concreto, mas na realidade é a mente de Ronald Lithgow, presa dentro de uma casca de pedra. Um corpo que o permite caminhar sem ajuda no fundo do oceano, ou sobreviver ao desmoronamento de milhares de toneladas de detritos em uma mineradora, mas que também o impede de sentir o toque de uma mão humana. Concreto – Volume 1 – Nas Profundezas é o primeiro lançamento da coleção que reimprime as primeiras histórias clássicas do personagem, somadas a contos curtos nunca antes reunidos, incluindo os vencedores do Eisner “O Brilho Laranja” e “Vagabundo”, um relato biográfico do criador, Paul Chadwick, sobre um mochileiro que cruzou os Estados Unidos.”

Concreto já foi publicado no Brasil outras vezes. Em 1990, uma revista de 36 páginas saiu pela editora Best News. Já em 1991, a Toviassú Produções Artísticas publicou três revistas, e mais uma vez o personagem se ausentou das bancas. Pelo menos até 2004, quando a editora Devir publicou um encadernado de 132 páginas reunindo as quatro primeiras histórias, publicadas lá fora na compilação “The Complete Concrete.

E no final das contas, nenhuma das três editoras fez jus à obra. Depois de dez anos após a última aparição do personagem para os leitores brazucas, a HQM Editora iniciou a publicação da revista mensal Dark Horse Apresenta, um mix que contém diversas histórias curtas, incluindo algumas do Concreto, em cores! E desde o início da publicação desta revista a editora vem preparando os leitores para o lançamento comentado aqui, e que finalmente se encontra nas bancas: o novo encadernado (e primeiro volume) do Concreto, chamado “Nas Profundezas“.

Para quem não conhece o personagem, esta é a melhor chance possível. Com histórias ricas, que agregam valor à cultura do leitor (sério), a narrativa de Paul Chadwick surpreende de todas as formas. Abordando temas diversos, como os sentimentos humanos, a preservação da natureza, o uso da violência, e sem deixar de desenvolver a trama principal sobre a origem do personagem, a leitura deste encadernado flui perfeitamente.

Apesar do protagonista ser um pedaço de pedra ambulante, não existe personagem mais humano do que ele. Com muitos diálogos, esta série é um deleite para quem gosta de histórias mais profundas e até mesmo tocantes, sem deixar de lado as loucuras características das histórias em quadrinhos. A origem do personagem (que promete ser mais desenvolvida nos próximos volumes) é muito bizarra.

E a arte? É belíssima. Se você não gosta de ilustrações em preto e branco, dê uma chance desta vez e é bem provável que não se arrependerá. Chadwick entrega quadros muito bem detalhados, com uma narrativa que foge do comum em diversos momentos. Alguns destes quadros, somados aos textos que beiram a perfeição, tornam-se extremamente poéticos.

Enfim, Concreto é, na minha opinião, o melhor lançamento recente para as bancas brasileiras. Como alguém que realmente gosta das histórias do personagem, não tenho reclamações a fazer para esta edição da HQM, que superou o antigo encadernado da Devir em todos os sentidos, principalmente no acabamento e na tradução, que conta com algumas diferenças significativas em comparação ao texto original. Sem contar as histórias adicionais, que são perfeitas. Agora é só torcer para que a publicação siga, pois esta coleção possui sete volumes, com capas cada vez mais belas.

“… provavelmente a melhor história em quadrinhos que está sendo publicada hoje, em qualquer lugar.”
– Harlan Ellison



Comentários