Comentários

thor-o-renascer-dos-deuses-paniniJ. Michael Straczynski, o roteirista do nome difícil que na maioria das vezes é referenciado pelos seus leitores apenas como JMS, é um grande conhecido dos fãs do Homem-Aranha, principalmente por ter sido responsável por umas das fases mais polêmicas e controversas da história do herói aracnídeo. Amado por uns, odiado por outros, o fato é que é inegável a qualidade do escritor enquanto um contador de histórias, e provando que alguns roteiristas se saem melhor com determinados personagens do que com outros, em 2007 o autor se juntou ao brilhante desenhista francês Olivier Coipel para trazer de volta o deus do trovão Thor ao panteão de super-heróis Marvel, desaparecido junto com todos os asgardianos desde a ocasião do Ragnarok.


Antes de continuar: Participe do nosso grupo de Whatsapp e receba ofertas diárias de Quadrinhos com desconto. Para participar, basta clicar aqui!


Em Thor: O Renascer dos Deuses, que acaba de ser relançado pela Panini e pode ser encontrado em diversas livrarias e comic-shops, vemos o início dessa ótima fase, onde JMS retoma a antiga ligação entre Thor e o Doutor Donald Blake, onde ambos dividem a mente e trocam de lugar quando Blake bate o seu cajado no chão. Bem clássico. E inclusive é o bom doutor que vai ao encontro de Thor no limbo e o convence a voltar ao plano dos mortais para trazer sua Asgard de volta. A teoria é bem simples, porém funcional: onde há Thor, também há Asgard.

E assim, mudando-se para a região de Oklahoma, Thor usa os poderes herdados de Odin para trazer a cidade dourada de volta, bem no meio de um terreno deserto. Trazer a morada do deuses para a Terra não chega a ser um conceito novo, visto que uma trama parecida chegou a ser utilizada nas revistas do deus do trovão nos idos de 1998, quando Dan Jurgens escrevia o personagem. Porém Straczynski traz isso aliado de forma bem abrangente àquela prerrogativa de “mundo adotivo” que Thor sempre teve por Midgard. Isso porque a realidade onde Asgard repousava não existe mais. Agora o deus do trovão não age com esse sentimento por si só, mas por todo o seu reino. A Terra precisa ser o lar adotivo de todo um povo.

thorrenascer
Aliás, a ideia apresentada aqui para trazer os asgardianos de volta para essa vazia Asgard é bem interessante. Assim como Thor divide o seu corpo com Don Blake, após o Ragnarok as almas dos deuses passaram a residir em corpos de mortais, que precisam se encontrados e “despertados”. Thor sai então em uma cautelosa missão de encontrar e trazer de volta os seus aliados, tomando cuidado para não despertar alguém… indesejado.

Algo importante a se ter em mente lendo essa história, é o período no qual ela se passa. Cronologicamente logo após a Guerra Civil, e com a lei de registro de super-humanos em pleno vigor, é claro que o fato de Thor simplesmente erguer sua cidade em terreno americano não seria algo tão aceitável assim. E obviamente, não tinha ninguém melhor para ir conversar com o deus do trovão do que o tão vilanizado nessa época, Homem de Ferro.

A sequência, que praticamente já nasce como uma das mais marcantes dos quadrinhos, é muito bem escrita e soberbamente bem desenhada. Tony Stark, após todos os seus atos durante a Guerra Civil, que envolveram capturar e enviar antigos aliados para uma prisão na Zona Negativa, além de criar geneticamente um clone do próprio Thor, vem cobrar do deus do trovão explicações sobre a apropriação do terreno em Oklahoma, além de pedir que os asgardianos se registrem no governo. Obviamente, o resultado não poderia ser diferente do que essa aí na imagem. Uma surra merecidíssima e que lavou a alma de muita gente.

ff95ee987d7cd9da63e006f174cb359f
O legal é que não é apenas Thor que é bem caracterizado e trabalhado na história. Seu “alter-ego” Donald Blake também possui bom momentos, e os personagens coadjuvantes tanto de Asgard quanto de Oklahoma são críveis e interessantes. O que chega a estranhar, já que em sua passagem pelo Homem-Aranha, Straczynski não soube trabalhar tão bem com o elenco de apoio do personagem, que é bem mais rico por sinal.

Thor: O Renascer dos Deuses é apenas o primeiro encadernado da fase de J. Michael Straczynski à frente do personagem, de um total de três. Nesse primeiro volume, além de – obviamente – apresentar o contexto principal de Asgard na Terra, o autor também começa a costurar tramas paralelas que envolvem um plano de Loki em suposta parceria com ninguém mais ninguém menos que o próprio monarca da Latvéria, Victor Von Doom, o Dr. Destino, enquanto Thor busca meios mais efetivos de trazer seu povo de volta antes que algo aconteça com seus corpos humanos.

Sem dúvida é uma das melhores fases do deus do trovão, e leitura indispensável não apenas para os fãs do personagem, mas para aqueles que curtem uma boa história com um roteiro bem construído e belíssima arte.

Para comprar Thor: O Renascer dos Deuses na Amazon, clique aqui.

 



Comentários