Comentários

FOI NO ANO DE 1992… em que a Image Comics foi fundada e quando começou era muito diferente do que ela é hoje! A intenção da fundação da Image era, claro, principalmente reverter as criações dos personagens e títulos para seus autores. Mas como a editora foi fundada por um grupo de artistas, os roteiros não eram o seu forte. Todd McFarlane (Homem-Aranha), Rob Liefeld (X-Force), Jim Lee (X-Men), Jim Valentino (Guardiões da Galáxia), Whilce Portacio (X-Factor), Erik Larsen (Homem-Aranha) e Marc Silvestri (Wolverine), vinham de títulos de grande rentabilidade na Marvel, a casa das ideias, mas todo o seu esforço era praticamente em vão já que os royalties e direitos autorais desses trabalhos iam todos para os acionistas da Marvel. Assim a ideia dos sócios da Image era dar as criaturas aos criadores, ou seja, todo o dinheiro arrecadado com a produção das revistas da nova editora iriam – após cobrir os custos – para seus artífices. A partir de então,a Image Comics tem figurado como a terceira maior editora de quadrinhos dos Estados Unidos. 


Antes de continuar: Participe do nosso grupo de Whatsapp e receba ofertas diárias de Quadrinhos com desconto. Para participar, basta clicar aqui!


ENQUANTO ISSO, NA MARVEL… se o Homem-Aranha perdia dois de seus maiores desenhistas da época, por outro lado ele tinha alguns motivos que retumbaram por décadas nas suas revistas. Em abril, na revista Amazing Spider-Man #361 estreava o mais sanguinário inimigo do Homem-Aranha, Cletus Kasady, o Carnificina! Sua origem como assassino serial que dividia a cela com Eddie Brock, o Venom, deixou o broto de simbionte que se juntou a ele ainda mais enlouquecido por se vingar de Peter Parker. Assim surgia esse vilão que aterroriza o amigão da vizinhança por anos a fio. Já em novembro de 1992 era a vez da estreia de Spider-Man 2099 #1, com um mundo totalmente diferente sendo apresentado para os fãs da casa das ideias. Um mundo futurista, em que o Homem-Aranha era fruto de experiências genéticas e combatia malvadas corporações que de tudo vendiam e de tudo eram donas. 

ENQUANTO ISSO, NA DC COMICS… era o ano de estreia do segundo filme do Batman, que era intitulado Batman, o Retorno e era mais uma vez dirigido e elaborado pelo gótico e soturno diretor Tim Burton. Além de trazer Michael Keaton novamente como o Cavaleiro das Trevas, também trazia dois novos vilões da galeria do morcego: a deslumbrante Michelle Pfeiffer como a voluptuosa e confusa Mulher-Gato e Danny DeVitto como um inconfundível e perturbado Pinguim. A Batmania estava na crista da onda e os produtos licenciados como brinquedos, materiais escolares, utensílios domésticos do Batman abundavam nas lojas por todo o mundo. 

EM OUTROS ESPAÇOS… a longeva revista britânica Punch, pioneira em trazer quadrinhos para os ingleses chegava à sua última edição. Enquanto isso, o criador das Tartarugas Ninja, Peter Laird, criava a Xeric Foundation, uma fundação responsável por trazer novos talentos dos quadrinhos independentes para a publicação.

E NO BRASIL, E NO BRASIL, HEIN? Em fevereiro, estreava uma nova revista dedicada aos mutantes no Brasil, era Wolverine, cuja primeira edição trazia as aventuras publicadas em Marvel Comics Presents e uma capa de John Byrne sobre fundo vermelho. Também pela Marvel, em março estreava no Brasil a revista em formatinho de Conan, o Bárbaro, que já vinha sendo publicado por aqui em outras chancelas, mas agora, pela primeira vez neste título e completamente em cores. Em janeiro, a revista Heróis da TV assumia sua terceira fase, dessa vez trazendo os personagens da Rede Manchete e demais canais que trazia Tokusatsus como Jiraiya, Jiban, Jaspion, Changeman e Kamen Rider. Aquele que é considerado o primeiro mangá a aportar no Brasil, Mai – A Garota Sensitiva, chegava nas bancas brasileiras em agosto. Em outubro, a Família Dinossauros, fenômeno da televisão mundial, ganhava também sua revista em quadrinhos pela Abril Jovem. 

VISÕES DE 2020

A Image Comics se mantém como a terceira maior editora dos quadrinhos estadunidenses, mas agora ela tem se voltado muito mais para os roteiros do que para os desenhos das histórias em quadrinhos. Ao longo dos anos, ela perdeu três dos sócios originais: Jim Lee, Rob Liefeld e Marc Silvestri, adicionando o roteirista de The Walking Dead, Robert Kirkman ao quadro de presidência.

O Carnificina recentemente foi a estrela de um grande crossover das revistas do universo narrativo do Homem-Aranha, Carnificina Absoluta. Já o Universo 2099 também esteve à frente dos holofotes recentemente e, como o Carnificina, de tempos em tempos vem sendo resgatado, algumas vezes com mais e outras vezes com menos êxitos.

A fantasia de Mulher-Gato, eternizada por Michelle Pfeiffer em Batman, o Retorno continua sendo uma das mais procuradas pelas mulheres em épocas de Halloween e de Carnaval, aqui no Brasil. Apesar disso, a fantasia traduz uma relação intercambiável entre mestre e servo, bastante característica daquelas observadas nos fetiches sadomasoquistas, incluindo o chicote da Mulher-Gato.

A Xeric Foundation ficou ativa até o começo da década de 2010 tendo premiado artistas como Adrian Tomine, Jessica Abel, Ellen Forney, Gene Luen Yang, Fred Van Lente e Jeff Lemire.

Se Wolverine não possui um título próprio no Brasil isso é porque ele se encontra cronologicamente morto no Universo principal da Marvel. A revista que o representa é, ironicamente, O Defunto Logan. Já Conan, depois de passar mais de uma década na Dark Horse Comics, retornou à posse da Marvel. Os mangás continuam firmes e fortes nas bancas brasileiras se tornando o principal segmento nesses pontos de venda. Já a Família Dinossauro e os Tokusatsus em quadrinhos são temas para arqueólogos. 



Comentários